domingo, 8 de janeiro de 2017

Como utilizar a cera rigida da Macmel

Bem aceite pelas abelhas.

Temperatura de fusão 5ºc acima da cera flexível pelo que tem bom comportamento no verão em zonas de temperaturas elevadas   

A cera rígida da Macmel com temperaturas baixas é muito quebradiça pelo que deve ser manobrada com muito cuidado:

1- Na aplicação se estiver muito frio quebra com facilidade pelo que deve ser manipulada com muito cuidado, na experiência que temos em Trás os Montes a partir de Março se o tempo estiver com Sol passa estar mais flexível e a manipulação é igual a da dera flexível.

2- No transporte para o apiário com a cera colocada e com temperaturas inferiores a 15ºc deve conduzir com cuidado pois com os pulos nos caminhos pode acontecer que algumas ceras se partam e chegue ao destino com a cera caída no fundo da colmeia.

3- A cera (qualquer tipo de cera) nova nas colmeias só deve ser substituída se as abelhas cobrirem logo os quadros de laminas de cera novas com abelhas ou se o enxame estiver em expansão, caso contrário as abelhas não puxam a cera e mesma pode derreter com o calor.

4- As laminas novas devem ser colocadas na parte mais fria da colmeia, isto é na parte virada a norte ou nascente, local onde as temperaturas são mais baixas e há menor risco de empanarem com o calor. Como mostra a figura será do lado oposto ao sol ás 17.00 horas.  


5- A cera não deve colocada com muita antecedência a aceitação é melhor se a cera não estiver ressequida.

6- Após colocação da cera voltar a fechar a cera não aplicada na embalagem original mantendo a mesma as características iniciais, pode até ser guardada de um ano para o outro se estiver embalada e fechada na caixa original.

Se for para substituir quadros velhos por novos os mesmos devem ser substituídos um de cada vez e os restantes devem ser colocados quando o anterior já estiver a ser puxado pelas abelhas assim evitamos que a cera derreta e as abelhas já não a queiram puxar.

As lâminas de cera Macmel tem cerca 12.5 lâminas por quilo (ninho lusitana ou langstroth) sendo que a maioria tem cerca de 10 lâminas por quilo o que em 100 quilos de cera da Macmel tem 1250 lâminas e de outra cera poder ter 1000 lâminas, dando para 25% mais colmeias com a mesma quantidade, ficando o custo da moldagem 25% mais barato em relação á quantidade lâminas por quilo e cera aplicada em cada colmeia 25% mais barata.


https://docs.google.com/a/macmel.net/forms/d/e/1FAIpQLSdWj1S8MCgEulxdfJURA4mq3uLG2JrIVfllCxPPqSuRlCjS-Q/viewform

.


Veja aqui o vídeo do nosso equipamento








A importância da alimentação apicola


A utilização de alimentação apícola em Portugal até há uns 10 anos a esta parte quase não havia quem alimenta-se as abelhas ou por desconhecimento ou por custos com alimentação (em que o custo VS preço do mel não convidava a gastar com alimento) então morria mais colmeias a fome no Inverno do que propriamente com doenças ou outros problemas apícolas.

Chegando mesmo na minha opinião a ser 1ª causa de morte durante o Inverno.

Entretanto quando algumas empresas (uma foi a macmel) começaram a ter alimento apícola á venda (quase nos chamavam malucos) o mesmo começou embora timidamente a ser comprado numa 1ª fase para as colónias mais débeis e de seguida quase que se generalizou a utilização de alimento durante o Outono e Inverno Beecomplet Outono. A evolução também chegou á alimentação e começaram a surgir alimentos para várias épocas do ciclo apícola, apareceram os alimentos de manutenção e estimulação.


Os alimentos de manutenção servem para manter a colônia como o nome indica, é aplicado quando há pouca entrada de alimento e as abelhas não o podendo ir buscar na natureza temos que ser nós ajudar as mesmas afim de não enfraquecerem ou mesmo morrerem de fome. Pode e deve ser também dado no fim do verão ás colónias com pouca reservas afim de as mesmas hibernarem com reservas suficientes para o período Invernal durante o qual se torna impossível a saída das abelhas e as mesmas terem alimento para alimentarem a colônia e aquecerem a colmeia (tão importante a temperatura no interior da colmeia para a saúde da colônia).

Neste contexto de evolução surge um novo alimento o de estimulação Beecomplet Primavera o mesmo imita o néctar de flores provocando na colônia a simulação de entrada de néctar levando dessa forma a rainha a iniciar a postura mais cedo do que seria normal e assim termos mais abelhas campeiras quando chegar a verdadeira plena colheita de mel e pólen esses sim que são a fonte de rendimento do apicultor.



A alimentação estimulante deve ser dado o 1º quilo 40 dias antes da previsão de florada e o 2º quilo 30 antes da previsão de florada afim de quando a florada chegar termos as abelhas que nasceram provocadas pela estimulação já terem idade de ir para o campo fazer colheita de mel e pólen.



A estimulação não é feita isenta de riscos para o apicultor como é feita 40 dias antes da florada e ninguém sabe as condições climatéricas o mesmo deve estar atento e se as abelhas não puderem sair por fatores climáticos terá que ser o apicultor a alimentar também com alimento de manutenção (mas isso também se aplica mesmo que não tenha feito alimentação estimulante).





Da nossa experiência e de relatos de apicultores que estimularam as suas abelhas em época correta verificou-se um aumento das produções nas colónias que foram alimentadas em relação ás colónias que não foram alimentadas tendo-se traduzido numa relação custo proveito muito a favor do apicultor que alimentou. Fica a troca de experiência agora cabe a si decidir.


 Cumprimentos

Francisco Rogão

http://formacaoapicultura.blogspot.pt/2016/09/formacoes-macmel-2017.html